Há 8 anos atrás, época em que iniciava e amadurecia meu crônico endividamento, mudei de república e precisava de uma geladeira.

Não querendo esperar para juntar o dinheiro necessário, resolvi ir às Casas Bahia lá no centro de Santos e fazer um financiamento em 10 parcelas de R$ 110,00 ( o fato de que à vista a geladeira saía por R$ 890,00 não me incomodou em absoluto).

 Naquela época este financiamento era feito por meio de um carnê que só podia ser pago na própria loja das Casas Bahia. Você não podia pagá-lo em bancos, casa lotéricas ou pelo internet banking. Nananina. Apenas na loja do pequeno cangaceiro. Então, todo o mês tinha que arrumar um tempo para dar um pulo até o centro para pagar o maldito carnê.

Lá pela 7a ou oitava parcela, ou seja quando faltavam apenas 2 prestações para me ver livre daquele tormento, a moça do caixa fez um discreto sinal para um vendedor, que se aproximou alegremente da minha humilde pessoa e começou a me oferecer vários itens da loja que haviam entrado em promoção e que estavam com ótimas condições de pagamento. Estranhei, porque até então isto não havia acontecido. Eu pagava todo o mês e saía tranquila, ninguém me abordava. Recusei, pois o fato de ter que ir até lá pagar as prestações me aborrecia muito.

Alguns anos depois li em uma revista de negócios uma reportagem sobre empresas voltadas para a Classe C em que o próprio Samuel Klein, presidente das Casas Bahia, admitia esta prática de manter os clientes de carnê em carnê como uma forma de fidelizar o cliente. Mal terminava um carnê o caixa avisava ao vendedor para tentar empurrar um novo carnê. Daí a importância de se pagar o carnê apenas na própria loja.

Fiquei pasma. Deixar o cliente de baixa renda eternamente endividado com a loja era prática comum e admitida sem problemas pelo presidente da empresa.

Esta semana vivi uma situação parecida que me lembrou muito a estratégia-Casas-Bahia-de-fidelização-do-cliente. A linda história de meu carro financiado e as concessionárias pouco honestas. Mas esta história eu conto no próximo post.

About these ads